estudo

O que NÃO funciona na hora de estudar

Tem muita gente nadando, nadando e nem chegando na praia. Na vida do concurseiro isso vai fazendo com que tudo fique mais difícil, não é? Você vai ficando irritadisso, cansado, sem dinheiro. Uma verdadeira espiral negativa.

Se você já vem aqui há algum tempo já conhece meu gosto por organizar os estudos antes de começar a estudar. Sabe que falo sobre planejamento, organização e métodos de estudo. Então bato sempre nas teclas do que se deve fazer para ter maior aproveitamento nos estudos e passar logo no concurso desejado.

Agora, no mesmo espírito, vou valar sobre o que NÃO se deve fazer ao estudar.


Vou incluir comentários sobre o que não fazer, destacando o que acho que são “percepções equivocadas”, que vai tratar de equívocos e interpretações sobre a atividade de estudar em geral e sobre os “métodos furados”, que tratam de técnicas que achávamos que prestavam, mas que mais atrapalham que ajudam.

Começar a estudar sem um plano

Primeiro, saiba que estudar sem planejar significa perder tempo. Todas as seções de estudo devem seguir o planejado, seja em tempo estudado, em questões resolvidas ou em páginas estudadas. Aquela ideia de que estudar, mesmo de qualquer jeito, é melhor do não estudar é um equívoco gigantesco!

Estudar sem planejar vai te cansar, irritar, afastar de atividades mais agradáveis e pode fazer você tomar um nojo pelas matérias de forma a desistir dos estudos de vez.

Então, estude só depois de planejar.

Manter anotações desorganizadas

Se você anota em qualquer pedaço de papel disponível, reaproveita cadernos ou cria arquivos e mais arquivos no word, saiba que essa desorganização vai custar caro mais cedo ou mais tarde.

Anotar em papel é completamente aceitável! Não ache que você precisa ter um tablet, ou computador para fazer as anotações de estudo. Pode ser caderno, folhas A4 ou de fichário sem problema mesmo. Mas tem que ser organizado.

Isso significa duas coisas:

Faça as anotações de forma consistente: disciplinas separadas, assuntos separados, páginas numeradas (para referência posterior) e cores de caneta com proprósito definido. Por exemplo: azul para o que veio de aulas e/ou professores, preto para livros ou pra lei seca, vermelho para o que veio de questões. Pode ser criativo aqui, mas mantenha a consistência, mesmo que adapte o método no andar da carruagem.

Se você prefere anotar no papel dê uma olhada no Método Cornell, que tanto defendo para os adeptos da caneta.

O mais importante, e útil, é, no entanto, processar as anotações. Para isso, pegue as anotações que fez e as reorganize, preferencialmente no computador. Existem vários aplicativos ótimos para isso. Já falei sobre isso no passado e recentemente achei um método sinistramente apaixonante.

Vá anotar!

Ler e reler (e reler e reler…) o material

Sentar na frente do livro e ler o mesmo assunto duzentas vezes não vale a pena. A releitura passiva tem o que chamamos de ganho marginal restrito. Cada vez que você relê um texto você adiquire menos informação que na vez anterior e isso pode levar do tédio improdutivo ao ódio irracional.

Depois de ler e reler passivamente:

dormindo sobre livros

O fluxo que sugiro:

  1. sente e leia
  2. anote
  3. procure outra fonte do mesmo assunto
  4. anote
  5. resolva questões sobre o assunto
  6. releia o texto original, se necessário
  7. ajuste os comentários e anotações
  8. próximo assunto

Busque métodos ativos de aprender. Sentar passivamente olhando para um livro não é nem um pouquinho ativo. Vá anotar, resolver questões, criar questionamentos e questione.

Fazer diversas coisas ao mesmo tempo

Existe uma percepção equivocada de que quem faz muitas coisas ao mesmo tempo é mais produtivo e eficiente do que quem se concentra em uma coisa só. Não acho que isso seja verdade em nenhum caso, mas para o estudante isso é especialmente errado.

O cérebro humano não é muito bom no chamado multitasking e precisa se concentrar para render tudo o que pode. Então, nada de TV, netflix, conversas e outras distrações na hora de estudar. Há pesquisas que dizem que ouvir algo quando se estuda pode ser favorável e eu ainda vou escrever sobre isso, mas a regra geral é: sente no silêncio e estude.

Desligue distrações e notificações, avise os demais moradores da casa que você vai estudar e estuda! Se as distrações estiverem à flor da pele você pode se beneficiar do método pomodoro.

Grifar, sublinhar, marcar, colorir e pintar

Grifar, Sublinhar, marcar, colorir e pintar podem deixar seu livro ou caderno bonitinho mas são formas pouco eficientes de estudar. Não que não funcionem de forma alguma, mas funcionam bem menos que outros métodos. É o que diz isso a Association for Psychological Science em um relatório que pode ser lido aqui (em inglês).

O argumento apresentado no artigo, e que faz total sentido, é que o sublinhado irá dispersar sua atenção se você voltar a lê-lo.

Essas marcações desviam sua atenção no momento da leitura, já que você vai se concentrar no que deve grifar, sublinhar, marcar, colorir e pintar ao invés de prestar atenção em todo o conteúdo, de forma orgânica.

Então, se você realmente quer ser mais eficiente nos estudos e passar no concurso, deixe de sublinhar e pintar o texto e concentre-se nas formas mais efetivas de estudar.

Se você vai usar o marcador de qualquer maneira, tente seguir essas dicas para aproveitar um pouco mais:

  • use mais de uma cor mas não precisa comprar aquela cartela do arco-íris. Com 3 ou 4 cores você consegue;
  • crie um sistema de codificação para as cores, para que elas sempre signifiquem a mesma coisa, como conceitos sempre amarelo; exceções sempre vermelho; dicas, macetes e hacks sempre azul, por exemplo;
  • não ache que grifar substitui anotar. Anotar é bem mais eficiente como forma de estudo e grifos devem complementar a anotação, ou mesmo orientá-la, mas nunca substituí-la;
  • limite a marcação. Se você marcou metade do texto o destaque perdeu a importância relativa.

Não faça isso aqui:

página grifada

Olhar a resposta antes de terminar o exercício

Resolver questões é uma técnica que todos os estudantes precisam usar em algum momento dos seus estudos. Principalmente se utilizam o estudo reverso. Mas muita gente não sabe como estudar eficientemente pelas questões.

É comum ler o comando da questão e ir direto para o gabarito, sem se esforçar corretamente para chegar à resposta. Este é um erro terrível!

Explico: se você vai direto para o gabarito sem pensar direito em qual seria sua resposta você vai assumir que sabe a resposta e não vai dar importância para os meandros e interpretações da questão.

É necessário ler a questão, fazer as marcações de itens certos e errados, ideias trocadas, erros de causalidade, non sequitur e pegadinhas. Com essas informações destacadas você resolve a questão, marca sua resposta e parte para a próxima do seu lote de questões daquela seção de estudos. Ao fim da seção, revise todos os gabaritos.

Resolver uma questão e já verificar o gabarito imediatamente é menos ruim do que ir direto para a resposta sem se esforçar naquela questão, mas prefira fazer por lotes de tempo ou de número de questões.

Estudar na cama

Sua cama serve pra muita coisa, mas não pra estudar. Seja sincero: você deitadinho no quentinho consegue prestar atenção nas definições de oração subordinada substantiva completiva nominal e Oração subordinada substantiva subjetiva e nas diferenças entre elas, quaisquer que sejam?

Aí, além de deitado na cama, ainda está de pijama e as cortinas quase fechadas. Vai dar certo? NÃO! Cama serve pra muita coisa, mas não presta pra estudar.

Ache um lugar mais adequado para estudar e estude pra valer. Pode até dar uma olhadinha aqui, que falo exatamente sobre o melhor lugar para estudar.

Essas são as coisas que você NÃO deve fazer ao estudar!

Estude bem!

sucesso

Comentários